Pages

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Após dois meses, corpo do caminhoneiro Gilson é liberado para sepultamento

Enlarge font
image Gilson teve o corpo queimado após o acidente na BR-101
Após mais de dois meses do acidente fatal em que matou o caminhoneiro jacuipense Gilson Mário Carneiro Santos, de 33 anos, o corpo, que estava em Salvador para perícia, foi liberado nesta quarta-feira (17) para sepultamento.

Após a liberação, o corpo de Gilson Mário chega a Riachão do Jacuipe nesta quinta-feira (18), por volta da 12h, e vai permanecer na capela do Cemitério local para o velório, e, em seguida, sepultado.

Segundo o vereador Luiz Valdoberto Carneiro (Beto de Eny), que esteve em Alagoinhas nesta quarta-feira junto com o pai e a mãe da vítima para agilizar a liberação do corpo, foi muito difícil. “Nós conseguimos a liberação do corpo depois de muito trabalho, mas isso é uma coisa que precisa mudar no Brasil. Isso é um desrespeito à família dele. Gilson era um rapaz alegre e muito bom”, disse Beto, em tom de protesto.  

De acordo com Beto de Eny, o sepultamento deve ocorrer por volta das 17h desta quinta-feira. Antes, à tarde, vários caminhoneiros irão fazer uma homenagem a Gilson Mário.

Veja matéria publica por este site no dia acidente:

Jovem de Riachão morre após bater a carreta na divisa da Bahia com Sergipe

O motorista Gilson Mário Carneiro Santos, de 33 anos, natural de Riachão do Jacuipe, morreu na manhã desta sexta-feira (17), após bater a carreta que dirigia com outra carreta cegonha, na BR-101, no município de Rio Real, próximo à divisa da Bahia com Sergipe.

O acidente aconteceu próximo ao Posto Fiscal da rodovia e foi testemunhado por outra pessoa de Riachão do Jacuipe, o jovem Fio de Eloi, que também dirigia outra carreta. Os dois vinham no sentido Sergipe/Bahia.

De acordo com informações do vereador Beto de Eny, que estava em Alagoinhas com o pai da vítima, Nelito da Nogueira, e falou por telefone ao Interior da Bahia, as duas carretas bateram de frente e Gilson ficou preso às ferragens após a batida. O amigo Fio de Eloi, que vinha atrás em outra carreta e praticamente viu como tudo aconteceu, parou para lhe dar socorro.

Segundo as informações, Gilson ficou preso às ferragens e ainda pediu socorro para Fio de Eloi, dizendo: ”Me tira daqui pelo amor de Deus”. Contudo, não houve tempo, porque o veículo incendiou, o que acabou matando o motorista jacuipense antes de ser socorrido ao hospital.

A causa do acidente não foi informada, mas Beto adiantou que, conforme informações de Fio de Eloi, o outro motorista, cujo estado de saúde não foi informado, teria provocado o acidente. 

Gilson dirigia uma carreta carregada de cimento, e teria partido de Sergipe com destino à Riachão do Jacuipe. A carga e o veículo, de propriedade do empresário Miinho, deveriam ir para a cidade de Pé de Serra.    

Corpo em Alagoinhas
Também por telefone, o vereador Beto de Eny, que é primo da vítima, informou à nossa reportagem que o corpo estava sendo aguardado na cidade de Alagoinhas por ele e Nelito (o pai), além do comerciante Toinho Moto Peças, para exames de praxe no DPT (Departamento de Policia Técnica).

Gilson Mário era natural da Fazenda Nogueira, na região de Traz da Roça, em Riachão do Jacuipe. Querido e muito bem relacionado, o jovem deixa uma mulher e uma filha de 5 anos.

Da redação (Foto/arquivo: Facebook).

Fonte: Interior da Bahia

0 comentários:

Postar um comentário