Pages

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Comerciários fecham lojas em Salvador e manifestação paralisa a Avenida Sete

Enlarge font
image Movimento Passe Livre voltou às ruas da capital nesta quinta
Uma manifestação de partidos, comerciários e centrais sindicais deixam o trânsito lento na Avenida Sete na manhã desta quinta-feira (11), no Centro de Salvador. Eles aderiram ao Dia Nacional de Lutas e prometem realizar uma caminhada até a Praça Castro Alves.

Os manifestantes se reúnem na Praça do Campo Grande. Maior parte das lojas e estabelecimentos comerciais do Centro está fechada por conta da adesão à manifestação. A participação do Sindicato dos Comerciários na grande paralisação nacional foi decidida em assembleias na segunda-feira (8).

Eles realizam manifestações e paralisações ao longo do dia. O presidente do sindicato, Jaelson Dourado, disse que a categoria entende que "é fundamental a classe trabalhadora pressionar o Congresso Nacional para as reformas democratizantes e estruturais do nosso país".

Os comerciários não aceitaram a orientação do Sindicato dos Lojistas (Sindilojas) para que o comércio baiano funcionasse normalmente nesta quinta. Em nota assinada pelo presidente do sindicato, Paulo Motta, afirmou que não se justifica mais uma interrupção do funcionamento, como aconteceu em junho, "com consideráveis prejuízos para as empresas e os trabalhadores comerciários".

Outras paralisações
Os servidores de saúde também decidiram fazer uma paralisação de 24 horas nesta quinta-feira em apoio ao Dia Nacional de Luta. A decisão foi tomada em assembleia na terça-feira (9). Durante a paralisação, funcionarão somente serviços de urgência e emergência nas unidades de saúde. Os demais setores terão escalas reduzidas para que os funcionários possam participar da mobilização.

Por conta das paralisações, as decisões das escolas particulares sobre o funcionamento caberão a cada unidade. A rede pública não deve ter aula. A APLB fez assembleia nesta quarta e os professores da rede municipal aprovaram 48 horas de paralisação - não vão às salas na quinta e nem na sexta.

A categoria rejeitou o parcelamento do reajuste de 7,89% proposto pela gestão municipal. Os professores da rede estadual, por sua vez, foram convocados a paralisar as atividades neste dia 11 para participar das manifestações em suas cidades, em Salvador e no interior. (Informações do Correio).

Mais informações: Interior da Bahia

0 comentários:

Postar um comentário