Pages

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Bahia tem PIB superior à média nacional, de SP, MG e PE em 2013


A Bahia mantém um crescimento significativo do seu Produto Interno Bruto (PIB) em comparação a outros estados e à média nacional. Enquanto o crescimento acumulado no primeiro semestre de 2013 do PIB brasileiro foi de 2,6%, a Bahia cresceu 3,3%. Comparativamente a outros estados, segundo números do IBGE, o crescimento baiano é ainda mais vigoroso: Minas Gerais, 0,8%; São Paulo, 1,8% e Pernambuco, 2,7%. A locomotiva desse crescimento baiano tem sido a indústria de transformação, que puxa o índice de crescimento da economia baiana com números de dar inveja a economistas chineses: 10,6%.

O Banco Central também reforça a posição de que a Bahia vive um ciclo de crescimento virtuoso. De acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), a Bahia ostenta uma crescimento de 6,1% no primeiro semestre de em 2013, bem acima da média brasileira – 2,9% - e de estados como Pernambuco - 1,8%.

O secretário da Indústria, Comércio e Mineração, James Correia, garante que essa tendência vai se manter até o final do ano e que o crescimento econômico da Bahia será um dos maiores do Brasil.

“Tudo isso é fruto do trabalho que estamos fazendo de diversificação e descentralização econômica. Hoje, não dependemos somente da petroquímica e do petróleo. Temos contabilizados, desde 2007, quase R$ 50 bilhões em investimentos privados, que agora começam a chegar à fase de produção, caso da Kimberly, da Vanádio Maracás, de O Boticário, da Placo Saint Gobain, entre outros. Quanto estiverem no auge da produção, em fins de 2014, a Bahia vai ‘bombar’ muito mais”, aposta Correia.

O secretário lamenta que a construção civil baiana não possa contribuir ainda mais para robustecer os números, em função do imbróglio jurídico na discussão dos parâmetros e gabaritos construtivos em Salvador. “Teremos uma compensação por causa das grandes obras de mobilidade urbana na capital, mas não deixa de ser uma baixa considerável na aceleração do crescimento baiano. Por outro lado, só em 2013, temos mais R$ 2 bilhões em investimentos no interior, que vão gerar 5 mil empregos diretos. E olhe que não estamos contando os projetos de mineração e de eólica”, ressalta Correia. 

Foto: Manu Dias/GOVBA

Secom  - Secretaria de Comunicação Social - Governo da Bahia
www.comunicacao.ba.gov.br

0 comentários:

Postar um comentário