Pages

domingo, 17 de maio de 2015

Professor e alunos 'trocam cadeiradas' durante briga em escola na Bahia


Professor e alunos se agridem com cadeiras, em escola de Jequié (Foto: Reprodução/Youtube)
A Secretaria de Educação do município de Jequié, localizada na região sudoeste da Bahia, abrirá um processo administrativo para apurar as causas da briga entre um professor de História e alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de uma escola municipal da cidade. Na confusão, professor e alunos "trocam cadeiradas".
Um vídeo, gravado por estudantes, e disponível na internet, mostra o momento da troca de agressões, que ocorreu na última semana, dentro da instituição de ensino, localizada no Loteamento Brasil Novo, no bairro Jequiezinho.
O professor envolvido na discussão, Lelito Caictano Lopes, prestou queixa na quarta-feira (13), segundo informou a delegacia da cidade.
No vídeo que flagrou a pancadaria, o professor aparece dado uma cadeirada em um dos alunos. Em seguida, o docente também é agredido com uma cadeira por outro estudante. Logo depois, a gravação mostra uma correria pela escola.

Segundo a delegacia de Jequié, o professor alegou que teria sido alvo de piadas e afirmou que os alunos colocaram apelidos nele e que estavam atrapalhando o andamento das aulas, o que teria motivado a briga.
"Ele disse que foi reclamar com os alunos, porque não estava gostando das brincadeiras, mas teria sido agredido primeiro com soco e que, depois, revidou", afirmou o delegado José Costa. O docente dará novo depoimento na próxima semana.
Dias após o ocorrido, o professor divulgou uma nota para a direção da escola, em que explica como a briga aconteceu. Segundo ele, os alunos compareciam na porta ou nas janelas da sala onde ele estava dando aula para "atrapalhar" e ainda o chamavam por apelido.
"O aluno com quem tive um desentendimento na quinta-feira da semana passada sabia que eu nao gostava dos apelidos", disse. O professor também afirma na nota que conversou com o estudante e explicou que não gostava das brincadeiras, classificadas pelo docente de "desrespeitosas", mas segundo ele, o aluno insistiu em continuar com as piadas.
"Mesmo depois de termos conversado, ele continuou fazendo as brincadeiras de forma mais intensa e trazendo mais um colega para efetuar apelidos e outras coisas mais. No dia 6, ele ficou rindo da minha pessoa e incitou outros a também fazer o mesmo", destacou o professor, afirmando que o episódio foi o estopim para a briga.
"Recebi murros dele e de outro colega que juntos vêm me desrespeitando. A partir dai rolou a pancadaria das duas partes. Pegaram uma cadeira para me espancar e eu peguei outra cadeira para me proteger, em seguida arremessei uma cadeira no aluno que estava me colocando apelidos", afirmou.
O professor também disse que o aluno tentou agredí-lo com um paralelepípedo. "Ao perceber sua ação, procurei me proteger dentro da sala de professores e mantive a porta fechada". Segundo o docente, um funcionário retirou a pedra da mão do aluno e ele continuou na sala até a chegada da Polícia Militar e da Guarda Municipal
A presidente da sindicato dos professores do município, Carolina Morais, afirmou que após a briga o professor foi afastado por 30 dias, por indicação médica. Segundo ela, o docente sofreu escoriações no braço por conta da cadeirada dada por um dos alunos. "Ele fez exame de segurança do trabalho, e o médico decidiu que ele deveria se afastar, porque está muito abalado psicologicamente", disse.
Ainda segundo Carolina, o sindicato está prestando apoio ao professor. Ela também criticou a seguranças nas escolas. "Estamos dando todo o acompanhamento a ele. Isso que ocorreu na escola não pode acontecer. As escolas estão vulneráveis. Não há nenhuma segurança, nem para os professores e nem para os alunos. A gente agora está esperando que a Secretaria de Educação tome as medidas cabíveis".
O secretário de Educação de Jequié, João Magno Chaves, informou que requisitou à direção da escola o relatório de ocorrência para apurar o caso e tomar as medidas cabíveis.
"O documento já foi enviado para a secretaria nesta quinta. Agora, vamos abrir um processo administrativo, para apurar o que realmente aconteceu. Depois veremos quais medidas administrativas serão tomadas", destacou, em conversa com o G1.

0 comentários:

Postar um comentário